5 dicas para inserir os hobbies no currículo

Em um cenário de mudanças constantes nos processos de seleção e recrutamento, uma das principais dúvidas é sobre a inclusão dos hobbies no currículo. Não é novidade que as empresas estão de olho nas atividades que realizamos fora do ambiente corporativo. Por isso, inserir essas curiosidades sobre nós está sendo um baita desafio para profissionais de muitas áreas.

O passo a passo básico para montar um currículo geralmente não inclui a especificação dos hobbies. O foco é sempre nas habilidades técnicas dos profissionais e os interesses pessoais e sociais acabam ficando de fora desse documento.

As tarefas que escolhemos nos dedicar em nosso tempo livre são responsáveis pelo desenvolvimento das soft skills, habilidades transversais que complementam o conhecimento técnico. Elas incluem competências emocionais e sociais, por exemplo, e estão cada vez mais nos radares de empresas e recrutadores.

Com isso, você deve estar pensando: então, por que não incluímos logos os hobbies no currículo? Como essa tarefa pode não ser tão simples, preparamos cinco dicas para você fazer isso de forma eficiente. Confira!

Necessidade

Para início de conversa, será que é realmente necessário colocar os interesses pessoais no currículo? Mesmo com o cenário cada vez mais aberto para essas novidades, algumas empresas podem ser muito tradicionais e conservadoras.

Por isso, uma boa dica é avaliar cada caso e, de acordo com a vaga, optar pela inserção ou não dos hobbies nesta primeira etapa do processo seletivo.

Também vale considerar a relevância das atividades. Alguns hobbies são amplos ou genéricos demais e podem dar a ideia de que você está só preenchendo espaço. Tome cuidado com interesses assim, como ler e viajar. Prefira ser mais específico, detalhando o gênero de literatura que prefere ou alguma atividade que envolva viagem, como a montagem do roteiro, por exemplo.

Vantagens e desvantagens

Se ainda está na dúvida, veja algumas vantagens e desvantagens que a presença dos hobbies no currículo pode proporcionar.

  • Vantagens: eles podem se tornar temas de conversa em entrevistas, facilitando a aproximação e identificação com o recrutador. Eles também dão indícios das suas soft skills.
  • Desvantagens: eles podem não ter muito a ver com o trabalho. Se eles não forem realmente auxiliar no seu processo seletivo, é melhor priorizar, então, outras informações mais relevantes para a vaga.

Nova seção

Você fez uma boa avaliação da necessidade e optou pela inserção dos hobbies no currículo? Então mãos à obra! A forma mais eficaz é colocá-los em uma nova seção, criada especificamente para isso. Você pode chamá-la de “Interesses Pessoais” ou “Hobbies e Interesses”.

Não se esqueça de uma boa dose de autoanálise antes de preenchê-la e que seu currículo deve ser dinâmico, adaptável ao cargo e compatível com sua experiência profissional. Você pode usar a inteligência emocional para ajudar neste momento.

Esta seção é uma boa opção de como finalizar seu currículo e impressionar o recrutador.

Direto e objetivo

Essa dica faz parte das dicas gerais sobre montar um currículo (que não devem ser desprezadas). A formatação deve ser sucinta e minimalista, sem layout ou design fora do padrão do documento.

Pode parecer muito difícil incluir algo tão subjetivo quanto hobbies em um documento que requer tanta objetividade como o currículo. Porém, a resposta é simples: selecione passatempos substanciais, relatados de forma profissional, curta e relevante, para conquistar o recrutador e te aprovar para a próxima fase.

O posicionamento dos hobbies no currículo pode caracterizar profissionais entusiastas e envolvidos. Por isso, é interessante eleger interesses que te promovam ativamente e reflitam, em poucas palavras ou tópicos, suas habilidades transversais.

Associações

É importante alinhar a seção de interesses pessoais com os demais itens do currículo para que os hobbies não fiquem fora de contexto. Vale, por exemplo, gerenciamento de equipes de esporte, atividades educacionais, trabalhos voluntários, conquistas e tópicos que você gosta de estudar ou são parte da sua vida de alguma forma, como artes, animais, jogos, investimentos, meditação e outros.

Escolha passatempos genuínos, que definam sua personalidade, sem contar toda a história, mas despertando o interesse para saber mais sobre você na próxima etapa do processo.

Gostou das dicas para incluir os hobbies no currículo? Conte-nos suas experiências!