As pessoas e a organização ou a organização e as pessoas?

As pessoas transformam uma organização ou é a organização que modifica as pessoas que nela trabalham?

Tenho visitado algumas empresas para apresentar um pouco mais das soluções educacionais que podemos compartilhar com o time de treinamento & desenvolvimento. Inevitavelmente, me deparo com várias pessoas, com diferentes cargos e funções, ideologias, crenças e valores etc.

O relato que gostaria de compartilhar se refere a uma empresa do setor sucroenergético, localizado no interior de São Paulo. Atualmente, ela possui cerca de 4,5 mil funcionários, dos quais tive a oportunidade de conversar com apenas três: o porteiro, a secretária executiva e a gerente de gente e gestão. A quantidade de pessoas que tive contato é ínfima com relação ao total de colaboradores, mas a educação e cuidado me chamou muito a atenção.

Poderia ser pretensão demais correlacionar esta percepção positiva com o clima organizacional e até mesmo resultado financeiro da empresa. No entanto, pessoas que estão contentes e felizes no trabalho com certeza são mais atenciosas, colaborativas e eficazes com as obrigações e tarefas diárias. E isso se correlaciona positivamente com o bom resultado operacional da empresa.

Independente do aspecto financeiro da organização, o ponto de discussão é como conseguimos “contaminar” as pessoas com simpatia, respeito, alegria e outros adjetivos que andam tão escassos ultimamente.

O background, experiências vividas por cada indivíduo, tem contribuição importante no que cada um de nós somos hoje. Outros fatores externos também contribuem, como o exemplo, a começar pela alta direção; a empatia, nos colocarmos no lugar do outro; o propósito, aquilo que cada um carrega para desenvolver ações que vão além do que proporciona o meio onde vive.

Para o autor Stephen Covey, o fato de trabalhar com propósito está ligado às relações humanas, havendo sempre troca de aprendizado, responsabilidade, respeito e espírito coletivo. Por isso que essa forma de trabalhar é tão importante e apresenta vantagem para as empresas: aumento da produtividade, redução do turnover, maior motivação dos funcionários e melhora na comunicação por meio da redução de ruídos.

A dica de leitura para um maior aprofundamento sobre a temática propósito no trabalho é o livro O 8º hábito: Da eficácia a grandeza, de Stephen Covey. Nesta obra, o autor comenta que não bastam mais as sete disciplinas (seja proativo; comece com o objetivo em mente; primeiro o mais importante; pense ganha-ganha; procure primeiro compreender para depois ser compreendido; crie sinergia; e afine o instrumento) para alcançarmos o sucesso em um mundo de constante mudanças que vivemos.

Para Stephen, o oitavo hábito é sobre ver e dominar o poder de uma terceira dimensão que se junta aos sete hábitos e atende o desafio da nova era do trabalhador do conhecimento. Para ele, o oitavo hábito é a voz do espírito humano, que também abrange a alma da organização que sobreviverá, prosperará e terá impacto profundo no futuro do mundo. Apesar da teoria ser clara e objetiva com os conceitos, os pontos que ficam para discussão são: conhecemos nossos propósitos? Como podemos auxiliar as pessoas que estão a nosso redor a despertar os respectivos propósitos?

Voltando para o case inicial, não sei afirmar se os indivíduos que tive contato estão ouvindo a voz proposta por Stephen, se ocasionalmente me deparei com três pessoas que estavam “de bem” com a vida e propuseram a ajudar ou se elas foram empáticas e solidárias na ocasião.

O ponto é que existem pessoas boas no mundo e infelizmente as mídias que consumimos, em sua ampla maioria, não mostram esse lado bom da vida. Pode procurar que em toda organização você irá encontrar pessoas do bem. Cabe as lideranças o dever de potencializar esse positivo que existe em cada indivíduo.

Glauber dos Santos é formado pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), com pós-graduação pela Esalq/USP. Atua com o desenvolvimento de negócios por meio da capacitação de pessoas dentro das organizações, com experiência no desenvolvimento de soluções de aprendizagem.