Gerenciando Equipes Remotas

Artigo

Denise de Moura 

A pandemia pela qual estamos passando nos forçou a mudar rapidamente diversos hábitos, formas de relacionamento, comunicação e processos de trabalho. A modalidade home office, por exemplo, cuja operacionalização já era pensada há muito tempo por diversas empresas e já implementada por outras, acabou se tornando uma forma comum e necessária de trabalho. Assim, pessoas tiveram que se reinventar, e se adaptar rapidamente a um modelo totalmente diferente no qual muitos não estavam acostumados.

Você que é gestor e não trabalhava remotamente, mas se viu gerenciando sua equipe de casa, da noite para o dia, o primeiro ponto que abordo aqui é: você precisa confiar nas pessoas. Se o modelo controlador de comando já era criticado há muito tempo, agora ele não vai funcionar. Você precisa confiar nas pessoas e em suas entregas.

O ex-CEO da empresa Elektro, Márcio Fernandes, considerado um dos maiores líderes do país, afirma em seu livro O Fim do Círculo Vicioso que “quando falta confiança, sobra controle”. O controle autocrático não funciona neste modelo remoto.

Não há um estilo de liderança ideal ou único para gerenciar equipes remotas. Os gestores precisarão utilizar um estilo situacional, isto é, gerenciar cada integrante da sua equipe com foco na maturidade que eles apresentem e conforme cada situação. Por exemplo, para os funcionários que hoje se encontram ansiosos ou perdidos, o líder precisará utilizar um estilo diretivo, dizendo exatamente o que as pessoas precisarão fazer e entregar. A periodicidade da comunicação entre eles deverá ser maior, sobretudo para que se sintam mais seguros. Se, por outro lado, há pessoas na equipe que se sentem mais confiantes ou são maduras, o líder pode usar a delegação, delegando e acompanhando.

Para melhor gestão remota, selecionamos 5 dicas:

§  A comunicação entre você e sua equipe precisará ocorrer com mais periodicidade, sobretudo porque as pessoas precisam se sentir seguras neste momento de muita incerteza. Faça reuniões mais vezes, mas com duração menor, por exemplo, de 30 minutos. Aumentar a comunicação e o diálogo com sua equipe não quer dizer aumentar o controle, mas deixá-la mais segura quanto às demandas que precisam entregar. Esteja certo de que muitos se sentirão perdidos neste momento, e você precisa dar um norte a elas.  Posteriormente, converse com cada um individualmente, buscando entender quais são as suas maiores dificuldades com o trabalho remoto. Você, como líder, precisará propiciar às pessoas o sentimento de acolhimento e proximidade.

§  Para diminuir os ruídos de comunicação que podem ser maiores em uma comunicação on-line, use a paráfrase – após passar a demanda, verifique se houve o mesmo entendimento coletivo e se o que as pessoas irão entregar é exatamente o que você espera. A paráfrase ajuda a diminuir os retrabalhos causados pelos ruídos na comunicação e pode gerar um entendimento coletivo claro, difícil de ser alcançado em uma reunião on-line.

§  Delegue com eficiência. Ficar cobrando a todo o momento deixará as pessoas ainda mais estressadas, mas não as deixe sozinha. Mostre disponibilidade para qualquer dúvida que elas tenham e delegar não é delargar. O mais importante é focar nas entregas e nos resultados, muito mais do que nas horas trabalhadas.

§  Equilibre trabalho e vida pessoal: evite fazer contatos com sua equipe após o expediente – somente em casos de extrema necessidade. Além disso, crie uma rotina de trabalho, para que sua equipe tenha a sensação de estar realmente em um escritório, com entregas semanais, reuniões periódicas e intervalos. Se dentro das empresas as pessoas param suas atividades para irem ao toalete, beber água, tomar café e almoçar, em casa elas precisarão também fazer isso para serem mais produtivas.

§  Não é porque você está distante que não pode elogiar, reconhecer ou dar um feedback. Estes fatores aproximam as pessoas, sobretudo em um momento de isolamento social, o efeito pode ser ainda mais positivo. Pense nisso! Mas os cuidados são os mesmos. Elogie em público e corrija em particular. Dar feedback corretivo a um funcionário na frente de todos, em uma reunião on-line será devastador. Se for para toda a equipe, o feedback deve ter um teor de orientação, não de culpa ou ameaçador.

Você, como líder, tem responsabilidade ainda maior neste momento. Faça seu melhor, faça a diferença para sua equipe.

Os melhores líderes aparecem nas crises e vulnerabilidades. Pense nisso!

 

Gostou do artigo da Professora Denise? Confira as aplicações desses conceitos nos curso de Comportamento Organizacional  e Liderança e Líder Coach disponíveis na Platorma Solution.

Comentários
Nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar. Escreva seu comentário abaixo e contribua com a geração do conhecimento peça a peça.
Entrar para comentar

Você gostou deste conteúdo?