Cultura digital não é mudança. É transformação

Os últimos anos apresentaram grandes mudanças na cultura digital como nunca visto antes. A chamada Quarta Revolução Industrial alterou nossa percepção quanto a isso e o tema desenvolvimento humano se encontra no centro de discussões avançadas. O quanto a tecnologia afeta a humanidade? A humanidade depende da tecnologia? 

A Estônia é um pequeno país da Europa e é referência em administração pública digital. Lá apenas três serviços exigem a presença física de um cidadão em uma instituição do governo: casamento, divórcio e transferência de imóvel.

O restante — de abertura de empresas até votação nas eleições presidenciais — pode ser feito por meio de uma assinatura digital. Dos 1,3 milhão de estonianos, 98,2% possuem RG digital, com um chip que garante acesso a mais 500 serviços do governo.

Esse é só um exemplo do que a cultura digital pode fazer quando bem empregada. Podemos ser dependentes da tecnologia ou usá-la da melhor forma, facilitando os processos mais comuns da nossa rotina ou alterando a experiência de como as coisas são feitas.

Mindset digital

Avanços como a Inteligência Artificial, Computação Quântica e a Lei Moore (que previu o aumento da capacidade de processamento de dados por chips) marcam a velocidade das mudanças que estão ocorrendo no mundo.

Os termos 4.0 e cultura digital tomaram um espaço importante na sociedade, inclusive no que diz respeito ao mundo corporativo. Mas, afinal, quais são os impactos verdadeiramente visíveis na forma como vivemos e trabalhamos?

Ao pensar nas gerações mais novas, chamadas de centennials e millennials (nascidos desde o final da década de 1980), identificamos um grupo que viveu as principais inovações tecnológicas.

Portanto, a cultura digital teve maior impacto nas gerações anteriores, acostumadas com uma forma mais analógica de viver. Pessoas que se formaram em épocas sem computadores e celulares, por exemplo, são as que mais têm dificuldade na mudança do mindset digital.

Empresas em estágios mais avançados, que nasceram antes das maiores revoluções tecnológicas, têm seus negócios traçados antes da cultura digital. Quando a transformação ocorre, elas são as que mais sofrem com os impactos.

Para contornar isso, as empresas precisam entender os pilares da transformação digital: foco no consumidor, feedbacks constantes, entregas mais rápidas e adaptação às mudanças. Entre outras coisas, elas precisam entender que não existe transformação digital sem confiança, complementaridade e acompanhamento das tendências.

Características da cultura digital

Provavelmente não seja fácil identificar um ambiente com qualidades digitais. Os maiores indicadores dessa adesão dentro das empresas são:

  • Indivíduos de alta performance, responsáveis e autoguiados;
  • Equipes eficientes e positivamente integradas;
  • Disciplina em alto nível;
  • Capacidade de mover-se rapidamente;
  • Forte estratégia digital;
  • Alta capacidade de execução;
  • Talentos e campeões digitais;
  • Foco no longo prazo;
  • Pessoas com paixão pelo risco.

Compreender este cenário de avanços tecnológicos, entretanto, não é suficiente para estar seguro no mercado, uma vez que ele é extremamente dinâmico. Não basta apenas adotar o que é tendência, mas sim ter conhecimento e estar capacitado.

Aderir à cultura digital vai muito além de aceitar as mudanças. Com um mundo VUCA (acrônimo para descrever quatro características marcantes do momento em que estamos vivendo: Volatilidade, Incerteza, Complexidade e Ambiguidade), fica cada vez mais difícil prever o futuro.

No contexto em que vivemos, a cultura digital se faz importante ao mudar a forma com que criamos valor. Ela recria a realidade. Ser digital não é mais incorporar plataformas, aplicativos, aparelhos tecnológicos etc. Digital é explorar novas fronteira, quebrar paradigmas, encarar desafios e aprender a olhar o mundo sob novos ângulos.

Vale lembrar que mesmo não citada, a tecnologia está presente em todas essas etapas. É ela e sua novidades que tornam os processos e planejamentos mais fáceis e ágeis.

Transformação digital vai além de utilizar soluções tecnológicas em uma organização. Seu objetivo é melhorar a performance da empresa, tornando-a mais enxuta, eficiente e produtiva, sem nunca deixar de satisfazer seus clientes.

Tecnologia muda a humanidade?

Pensar nos impactos da cultura digital na sociedade é simplificar sua capacidade de transformação. O DNA digital é permanente. Mudanças são reversíveis, a transformação não.

Se o impacto do digital for encarado exclusivamente como o aumento no número de soluções tecnológicas para empresas e pessoas, haveria sentido em buscar impactos na sociedade. A cultura digital e sua transformação não são apenas reflexos das mudanças na sociedade, mas a causa delas.

A comunicação, por exemplo, sofreu alterações que a deixaram instantânea. Unida com a informação de livre acesso, propiciada pelas redes sociais, nos tornamos exigentes e imediatistas.

Não podemos esperar por respostas ou prazos muito longos. O foco no cliente, dessa forma, tem que incluir metodologias ágeis e que estreitam o relacionamento serviço-consumidor. A transformação digital ocorreu para se adaptar aos nossos novos hábitos, não o contrário.

Humano, não máquina

Para especialistas, é fato que os robôs farão tudo que um humano faz. Em menos de 50 anos não existirá nenhum trabalho impossível para uma máquina ou ação humana que eles não serão capazes de reproduzir. Entretanto, seres humanos têm emoções, ética e empatia. Para não ser um robô, é preciso trabalhar essas qualidades.

Muito tem se falado sobra o reconhecimento de um mindset digital pela transformação e não pela mudança. Isso se deve a uma característica completamente aceitável em nós: somos bons em reagir, mas não em antecipar. Com uma mutabilidade tão grande, fica um pouco difícil prever o que pode ser tendência dentro de dois anos ou mais.

Seguir a transformação digital torna empresas mais ágeis e capazes de se adaptar a essa instabilidade e imprevisibilidade do mercado. Em vez de procurar por reestruturação, elas devem ter um planejamento que seja tão maleável quanto o que acontece com a cultura digital.

Mas não existe tal transformação sem uma mudança cultural, que exige mentalidade sempre atualizada. Isso significa que as empresas precisam estar atentas às novidades e saber que, para melhorar a estrutura e processos dentro da organização, nada melhor do que a força humana unida com um bom mindset digital.

Você adota a cultura digital dentro da empresa? Conte para nós nos comentários 😉