Alcance bons níveis de relaxamento e produtividade com o ASMR

Tem gente que adora ouvir gotas de chuva caindo para relaxar, enquanto outras pessoas acham que o vento entre a folhagem das árvores é ótimo para se concentrar. Essas são algumas das ideias do que o ASMR (Resposta Sensorial Autônoma do Meridiano, em português) pode fazer pela sua capacidade produtiva.

A aplicação dos sons ASMR desperta sensações de prazer por meio de estímulos repetitivos. Até parece estranho gostar tanto de escutar um copo de água sendo completado, por exemplo, mas vídeos com experiências sonoras similares estão viralizando a cada dia.

E haja criatividade para desenvolver essas “terapias sonoras”, já que os ruídos podem ser extraídos de qualquer tipo de objeto ou até da voz e ponta dos dedos. Nesse universo, o que vale são reproduções prazerosas para se ouvir durante vários minutos.

Assim como diversas pessoas se sentem mais conectadas com suas tarefas escutando música, vídeos de ASMR também podem ter o mesmo efeito, desde que sejam agradáveis para o ouvinte. Então, se escutar alguém sussurrar em um microfone te deixa mais agoniado do que relaxado, talvez o ASMR não seja para você.

Alívio mental

Ao conhecer o ASMR, uma pergunta bem simples pode ocorrer: como alguém sussurrando ou arranhando uma escova no seu fone de ouvido pode ajudar na produtividade?

A resposta começa um pouco mais simples. Os vídeos de ASMR raramente exigem efeitos especiais ou edições complexas. Os estímulos mais comuns são produzidos com sussurros, sopros no microfone, toques em objetos e insinuação de que a cabeça do ouvinte está sendo acariciada.

Muitas pessoas concordam que essa escuta melhora a relação com certos problemas cotidianos, como o estresse, e ajuda a aliviar crises de ansiedade ao propor um momento de relaxamento. Mas é importante lembrar que esta “terapia” não substitui um acompanhamento especializado.

Com os relatos e fãs de ASMR cada vez mais em alta, os pesquisadores de neurociência começaram a investigar se os sons podem oferecer mais benefício para a saúde mental. Em um estudo de 2018, as respostas sobre os efeitos dessa prática se apresentaram relativamente promissoras.

Nessa pesquisa foi indicado que o ASMR provoca uma sensação calmante com benefícios para as conexões sociais. Além disso, os inúmeros vídeos desse universo geram uma redução significativa na frequência cardíaca, justificando seu efeito relaxante.

Por trás da ciência

O ASMR é um termo que descreve as sensações físicas e emocionais das pessoas ao entrarem em contato com imagens e sons estimulantes, assim como quando elas participam de atividades que envolvem atenção em si, mesmo que inconscientemente, como escovar o cabelo ou se maquiar.

Isso explica de forma mais científica o crescente sucesso da comunidade de ASMR, que já passa dos 13 milhões de vídeos postados somente no Youtube. E não somente pessoas aderiram aos canais para se sentirem mais relaxadas e produtivas como empresas estão apostando na ideia para lançar seus próprios vídeos nas campanhas de marketing.

Outro estudo de 2012 publicado no Journal of Consumer Research mostrou que níveis moderados de som ambiente (não ultrapassando os 70 decibéis) podem aumentar o desempenho em tarefas criativas. O principal conceito dos vídeos de ASMR está em obter sons em volumes moderados ou bem baixos e isso pode ser interpretado pelo cérebro como um som ambiente.

Já na pesquisa lançada pelas Universidades de Sheffield e Metropolitana de Manchester, mais uma vez o ASMR se mostrou como um estímulo positivo para a saúde mental e física. O bônus aqui foi o aumento expressivo nas emoções positivas, que são importantes para a qualidade de vida de cada indivíduo.

A fórmula final é bem simples: estresse e ansiedade reduzem significativamente a produtividade. Portanto, minimizar esses transtornos amplia a probabilidade de realizar tarefas diárias com mais confiança e rendimento.

Começar ou não?

Novamente, vamos esclarecer uma coisa: o ASMR pode não ser para você, e está tudo bem. Nem todo mundo quer apostar nele, seja pela dúvida quanto aos seus benefícios ou por realmente não se sentir atingido por seus efeitos.

Mas para aqueles que acreditam que essa possa ser uma das formas de garantir o desejado estado de flow e de se conectar com os próprios métodos de produtividade, esta é a hora de começar a conhecer o ASMR.

Caso o teste com os canais mais famosos não funcione, os vídeos não passarão de ruídos brandos nos ouvidos. No outro cenário, o ASMR vai ser uma das cartas quando você precisar de concentração e estímulos para alcançar uma qualidade alta na execução da sua rotina.   

Conhece algum canal de ASMR? Indique ele aqui nos comentários.

Como melhorar a concentração no trabalho?

Existem dias em que a produtividade está lá no alto. Em outros, porém, parece que nada sai do lugar e a mente se dispersa facilmente. Nesse sentido, ações como ler e-mails, responder mensagens, perder a concentração com vídeos e conversas no escritório só agravam a situação, além de atrasar ainda mais as entregas.

Se a lista de tarefas apenas cresce, melhorar a concentração no trabalho se torna indispensável. Mas não basta saber que as coisas precisam ser feitas para recolocar o foco de volta aos afazeres. Resolver essa questão exige identificar os ladrões de atenção, para depois traçar um plano de ação. Veja alguns exemplos.

Cansaço demais

Se sentir exausto e precisar de muitas xícaras de café para manter os olhos atentos é um péssimo sinal. Quando estamos cansados a ponto de não manter a concentração no trabalho, significa que cometemos negligências na hora de dormir.

A privação e sono, ou não dormir por tempo suficiente para se sentir descansado, prejudica diretamente as funções cognitivas. Isso mesmo, sua memória e velocidade de trabalho estão caindo por conta daquela série que te fez dormir mais tarde. Segundo estudos publicados no The Journal of Neuroscience, a contínua falta de sono afeta, e até mesmo destrói, nossos neurônios.

Além de descansar o suficiente todas as noites, ou na maioria delas, a concentração no trabalho melhora com pequenas atitudes. Quando o sono vier, saia um pouco da sala e caminhe. E para despertar o cérebro, beba água ao invés do famoso cafezinho.

Como anda a organização?

Não adianta fugir, a organização é tão importante para melhorar a concentração no trabalho quanto ser produtivo. E não significa só saber dos horários de reuniões e tarefas a serem entregues. Mesa, e-mails, arquivos entre outros itens profissionais também devem ser colocados em ordem.

Manter a organização em dia ajudará a encontrar as coisas de forma mais facial e rápida, sem falar na visão mais eficaz do que existe e ainda precisa ser feito. Perder tempo com coisas que não são importantes, como procurar um arquivo, é muito irritante.

Além disso, manter uma agenda online ou manual para registar todas as atividades pode melhorar o processo. Planejando o dia, muitas das tarefas podem ser feitas com tranquilidade e devida atenção.

Novidades a todo momento

Boa ou ruim, qualquer notícia afeta negativamente a nossa concentração. O que não falta no trabalho diariamente são distrações, como conversas com os colegas, reuniões, entre outros.

Quando uma novidade é ruim, aumentamos nossas preocupações pessoais e elas passam a parecer mais ameaçadoras e graves. Do contrário, uma boa notícia aumenta os níveis de excitação e ansiedade. Resultado: ambas sequestram nossa atenção.

Nesse sentido, não há fórmula mágica. Saber lidar e trabalhar com as emoções auxilia em situações similares. Quando ao fato de estar atento ao que falam dentro do escritório, vale a pena se inteirar sobre os assuntos, mas não deixar que eles sejam maiores que as obrigações. Notificações de celulares também entram no jogo, portanto, silencie e só as veja entre as pausas.

Falta cuidado com a mente

Saúde mental não é frescura e nem deve estar em segundo plano. Uma cabeça inquieta, cheia de preocupações e ansiedade dificilmente se mantém por muito tempo concentrada. Cuidar de si neste aspecto é importante para manter a tranquilidade e equilíbrio e, assim, enfrentar as jornadas de trabalho.

Além de seguir a dica de descanso e respeitar o sono, tente dispersar coisas que afetam sua saúde mental. Isso pode ser notícias ruins, conversas que não são benéficas ou discussões que não agregam nada, por exemplo.

Além disso, faça atividades de lazer e físicas, que estejam sempre distantes e não relacionadas ao trabalho. Um corpo saudável, unido com uma mente descansada, são essenciais para melhorar a concentração no trabalho.

Multitarefas, uma má escolha

Fazer várias coisas ao mesmo tempo geralmente é necessário, inclusive quando estamos lidando com prazos apertados. Mas tornar essa “habilidade” em algo frequente afeta o foco e como nos dedicamos a cada atividade. Muitas vezes não conseguimos entregar bons resultados por não ter dedicado total atenção a uma única ação.

O ideal é deixar as multitarefas para casos isolados. Se a intenção é melhorar a concentração no trabalho, então realize com foco cada atividade. No caso de pessoas ansiosas, com dificuldade para mudar esse hábito, a dica é realizar as tarefas pausadas com mais frequência, até que elas se tornem mais comuns na rotina.

Faça pausas curtas

Pausas, quando feitas de maneira estratégica, são bem mais eficientes que manter uma garrafa de café na mesa. Para não atrapalhar a linha de raciocínio, esses intervalos devem ser adotados seguindo algum método de produtividade, como o Pomodoro.

Nele, a tarefa deve ser executada em períodos pré-determinados e com pausas curtas para levantar-se, ir ao banheiro e tomar uma água. Ao final de um ciclo da técnica, fica liberada uma pausa maior para fazer qualquer coisa não relacionada ao trabalho.

A mente humana consegue manter o máximo de atenção por 70 ou até 90 minutos. Por isso, cada intervalo maior, quando bem usado, reativa funções relacionada à criatividade e produtividade.

Você usa alguma estratégia para melhorar a concentração? A Pomodoro pode ser uma delas. Confira como aqui.

5 motivos para não ser multitarefas

Realizar várias tarefas ao mesmo tempo é motivo de orgulho para muitas pessoas. O que poucos sabem é que ser multitarefas pode ser mais prejudicial do que benéfico para a produtividade. O motivo: a habilidade pode mexer diretamente com o nosso humor.

Um estudo realizado pela Universidade de Stanford mostrou como reagem pessoas bombardeadas regularmente com informações. Em comparação a indivíduos que preferem concluir uma tarefa por vez, o grupo apresentou maior carga de estresse. Outro ponto é que eles tendem a não controlar muito bem a memória e apresentam dificuldades com mudanças na carreira e integração social.

Você também pode ser uma dessas pessoas multitarefas, ainda mais com tanta tecnologia. Trocas de mensagens enquanto assiste à televisão, checagem de um site para outro enquanto realiza tarefas de casa. Soa familiar, não?

Entenda agora os motivos para não alternar várias atividades ao mesmo tempo.

Você se torna desatento

Quando se é multitarefas, a mente não consegue ficar concentrada. Isso leva a tarefas incompletas ou que são ignoradas. Um exemplo mais comum é quando encontramos novas pessoas durante esse período de aparente produtividade. As chances de se lembrar do nome desse novo indivíduo é de apenas 1%.

Isso acontece porque nos tornamos distraídos ao pensar em várias coisas ao mesmo tempo. A incapacidade de se concentrar pode afetar o pessoal e o profissional, evitando novas conexões profundas com outras pessoas.

Sucessão de erros

Ninguém gosta de errar e isso é um fato. Entretanto, cometer erros pode ser uma consequência da falta de foco de pessoas multitarefas. A explicação se deve a divisão da mente e concentração em vários focos de atividades que geram baixo senso crítico a erros.

A pesquisa de Stanford aponta ainda o quanto é comum para uma pessoa filtrar informações relevante ao executar tantas tarefas. Tal ação pode levar a sobreposição de trabalhos por conta de um disparo mental, logo, maiores as chances de cometer falhas.

Sua saúde mental é afetada

Outra grande desvantagem para quem trabalha em várias ações ao mesmo tempo é a sensação de ansiedade. Os danos, além de psicológicos, podem ser físicos e sociais. Você já parou para pensar quantas vezes verifica as atualizações do celular?

É justamente essa percepção sobre o uso do tempo preso aos aparelhos eletrônicos e demais afazeres do dia que podem explicar o porquê ser multitarefas não é tão positivo.

Queda da criatividade

Dedicando sua atenção para muitas tarefas de uma só vez, você nunca terá memória de trabalho para criar ideias e conceitos que sejam verdadeiramente criativos.

Quando estamos ansiosos, nossos corpos começam a acessar estruturas cerebrais mais primitivas, que são projetadas para nos manter a salvo do perigo e alerta. Quando isso acontece, deixamos de acessar áreas como o lobo frontal, que se adaptou para acessar o pensamento crítico e a criatividade.

Ser multitarefa afeta sua memória

Em 2011, a Universidade da Califórnia, em São Francisco, publicou um estudo mostrando como a mudança rápida de uma tarefa para outra afeta a memória de curto prazo.

O impacto é sempre negativo e se torna cada vez mais aparente à medida que você envelhece. Você consegue lidar com várias tarefas agora, mas não significa continue no mesmo ritmo dentro de cinco ou dez anos. Portanto, é sempre bom cultivar hábitos saudáveis desde sempre.

Quer saber como ser mais produtivo? Confira também como a tecnologia pode melhorar a produtividade.