O que podemos esperar como temas para treinamentos em 2019?

O objetivo central da maioria das empresas é gerar lucro para os acionistas. Matematicamente, a equação é fácil de ser resolvida: custos menores que as receitas. Para os economistas, entretanto, a equação não é tão simples assim, pois a questão envolve custo de oportunidade, valor do dinheiro no tempo e custo do capital.

Muito embora a saúde financeira de uma empresa esteja pautada em sua capacidade de reter clientes e evitar a evasão, uma coisa é fato: a inovação é uma alternativa para otimizar o lucro dentro das organizações, seja melhorando processos ou mesmo encontrando nicho de mercado para aumentar as receitas.

Ainda no âmbito econômico financeiro, a gestão orçamentária e análise de retorno do investimento (ROI), seja eles em quaisquer áreas, tornam-se importantes competência técnica para que gestores e demais colaboradores tomem decisões assertivas pautadas em fatos e dados. Na área de treinamento e desenvolvimento (T&D), conhecer qual o propósito dos treinamentos, alinhar os mesmos com o time que está sendo treinado e mapear os indicadores que podem ser influenciados é fundamental para construir uma métrica de mensuração do retorno deste investimento.

Para se atingir os lucros desejados, as empresas devem construir e manter uma equipe harmônica e qualificada. Começar com o mapeamento e corrigir quais são os gaps de competências comportamentais por área da organização é uma forma interessante para motivar os funcionários e aumentar a produtividade dos mesmos. Dentro deste campo comportamental, treinamentos voltados para a primeira gestão e inteligência emocional podem capacitar os futuros gestores com um embasamento sólido para o sucesso dentro da organização.

Outra área de conhecimento é no campo tecnológico. Inteligência artificial e automação, além de melhorarem alguns processos, geram dados que por meio do Big Data são importantes fontes de informação que, quando interpretadas, podem levar as organizações a entenderem melhor a performance de seus colaboradores, resultados das áreas ou mesmo ajudar a prever alternativas melhores para a redução no custo de produção de seus produtos ou serviços.

Com todas as transformações no mercado de consumo, as questões de atendimento, experiência do cliente e omnichannel são cruciais para aquelas empresas que lidam diretamente com o consumidor final. Considerando a sociedade atual, equidade de gênero e compliance são outros dois assuntos que devem ser constantemente trabalhados nas organizações, seja via campanhas de conscientização ou treinamentos periódicos. Sem o respeito e direito em igualdade, a empresa já perde de 5% a 10% de sua potencial capacidade intelectual ou, ainda, pode perder milhões com o descumprimento das conformidades ética.

Por último, e fazendo uma relação com o início desse texto, a parte de finanças não deve ser um assunto restrito aos setores da empresa diretamente relacionados a esta questão. É importante todos os profissionais terem conhecimentos que os possibilitem analisar e tomar decisões cada vez melhores visando o resultado de suas ações.

Nesse novo ano, são grandes os desafios para mantermos os negócios em crescimento. Vivemos uma nova realidade do imediatismo e do rompimento de barreiras. Assim, conhecer e discutir temas que estão em evidência nos principais eventos de T&D pode auxiliar no sucesso em 2019.

Glauber dos Santos é formado pela Esalq/USP e possui experiência no desenvolvimento e treinamento técnico em diferentes cadeias produtivas do agronegócio, além de atuar com gestão de projetos de viabilidade econômica.

O Educação Corporativa do Pecege oferece treinamentos personalizados e ideais para cada empresa, levando em conta a necessidade da organização.

Quer saber mais sobre o assunto? Entenda a importância da educação corporativa para seu negócio.

Entenda a importância da educação corporativa para seu negócio

Quando se fala em educação corporativa é comum pensar nos tradicionais treinamentos que as empresas oferecem. Não é uma visão totalmente errada, porém vai muito além da mera capacitação dos funcionários de uma empresa.

Educação corporativa é uma estratégia voltada para a gestão de conhecimento e busca melhorar a produtividade da empresa. “A demanda por soluções educacionais visa diminuir os gaps de performance na empresa ou gerar novos conhecimentos e aplicação de ferramentas para melhorar a competitividade dos negócios”, explica Débora Planello, especialista em gestão empresarial e gestora de eventos do Pecege.

Essas iniciativas geralmente são buscadas pelos gestores ou pelo próprio setor de recursos humanos da organização e podem ser conduzidas pelos colaboradores internos ou empresas especializadas.

“O importante é que a empresa tenha um calendário estruturado, faça o registro desses treinamentos e mantenha os profissionais capacitados para os seus desafios diários”, afirma.

Importância

De acordo com Débora, a educação corporativa faz com que os funcionários tenham mais motivação, engajamento e produtividade. “No entanto, é necessário alinhar a capacitação com as estratégias da organização e, o mais importante, engajar os participantes nos treinamentos.”

Treinamentos fazem com que os funcionários se sintam valorizados e importantes na organização por causa da troca de experiências. O ideal é que todos tenham a oportunidade de participar.

A educação corporativa pode trazer resultados positivos para empresas de todos os tamanhos. “Os fatores-chave para o sucesso estão na definição do objetivo e o uso da ferramenta e metodologia corretas para o real aprendizado”, completa.

Existem treinamentos que se encaixam no orçamento da empresa, no perfil e na agenda dos colaboradores, como programas presenciais, a distância, com recursos de áudio, vídeo e texto e várias durações. Tudo pode ser estruturado de acordo com a demanda da organização.

Como aplicar

Não adianta simplesmente começar a aplicar a educação corporativa se a organização não está preparada para isso. O ideal é construir dentro da empresa uma cultura organizacional, onde é permitido que o conteúdo aprendido nos treinamentos seja aplicado pelos funcionários.

Também é preciso que o propósito do treinamento seja alinhado com os participantes para que todos saibam o porquê de aprender aquele conteúdo. E ainda é necessário que a capacidade técnica do instrutor e a estrutura do treinamento sejam adequadas.

“A mensuração não é simples de ser feita e ainda são poucas as empresas que têm metodologias para medir o retorno do investimento em educação corporativa, mas, esse ponto é um dos diferenciais que pode trazer uma boa visão para os gestores sobre a efetividade da ação”, finaliza.

O Pecege oferece um programa de Educação Corporativa ideal para cada empresa. A estrutura do programa leva em conta a necessidade de cada organização, que pode adquirir treinamentos especializados de maneira presencial ou a distância.

O que você acha da educação corporativa? Comente!