Logística de exportação: saiba como ela pode melhorar o seu negócio

Quando falamos em logística, ela se destina principalmente a empresas que trabalham com sua própria distribuição. Ter como e poder controlar a entrega aos clientes é de grande importância para o crescimento comercial.

Antes de colocar o seu produto no mercado internacional, é preciso garantir que ele esteja adequado à logística de distribuição e exportação de cada lugar, já que ela se difere dependendo do território.

“Precisamos nos preocupar com isso para entender o transporte dos produtos, saber como chegam e de que forma são distribuídos em cada país. Nós devemos entender que cada um faz de forma diferenciada”, explica o professor José Meireles, do curso de Comércio Internacional da plataforma Solution.

A logística permite ainda entender de forma eficiente a maneira mais rápida e segura de atender o consumidor final. Com base em prazo e custos, respeitando o nível de serviço, o transporte se torna mais seguro.

Logística para entender o cliente

Pequenas empresas não estão muito acostumadas com o sistema de logística, por isso o serviço é terceirizado. Mesmo assim elas devem acompanhar o processo para garantir a chegada de seu produto ao mercado e uma melhoria nos investimentos.

“Por isso a terceirização da logística deve ser encarada como uma parceria e não a simples compra de um serviço”, lembra Meireles. “A transportadora vai fazer seu fluxo de transporte e acompanhar todos os passos do seu produto. É com ela também que saberemos como é possível ganhar mais clientes no mercado”, acrescenta.

A logística interna de transporte, em comparação à externa, é muito específica. De forma genérica, empresas que fazem jus à distribuição no mercado de seus produtos conseguem de uma forma geral trazer parcerias e saber para quem estão vendendo.

“Novamente, se não houver essa aproximação do cliente não conseguimos entender o mercado, ainda que eu como empresário use todo o marketing que tenho disponível”, completa.

Logística interna

O Brasil é grande exportador de commodities, sua maior frente de comércio. Entretanto requer escala mais abrangente para ser competitivo quanto a outros produtos.

Um ponto que merece atenção, segundo o professor, é a logística interna, pois ela também reflete e valoriza a exportação. Atualmente, ela é configurada em transporte rodoviário, ferroviário (ainda que em menor escala) e navegação pela costa.

“Esse último meio é mais barato e por sermos um país largo, é viável em muitas ocasiões. Há ainda a fretagem com aviões, que serve mais para mercadorias de pequeno volume e alto valor”, comenta.

O uso de hidrovias é apontado pelo professor como uma promissora forma de logística, uma vez que a possibilidade de navegação interna ajudaria em um maior alcance territorial.

“O Brasil, que possui muitas dificuldades estruturais, tem muitos custos. A logística entra para fazer diferença para o negócio. Ela valoriza nosso produto e aumentar a competitividade com o mercado externo”, observa.

Se interessou pelo assunto? Saiba também quais são os mitos e verdades sobre a exportação.

Mitos e verdades sobre a exportação

O Brasil possui um mercado interno consolidado que representa segurança e comodidade a muitas empresas. Diante desse cenário, as empresas apostam na exportação para se atualizar, modernizar e desenvolver.

Apesar de muitos pontos positivos, a exportação ainda carrega alguns mitos que podem fazer a ação parecer arriscada, trazendo inseguranças ao empresário brasileiro.

Confira alguns mitos e verdades que ajudarão a entender melhor o mercado internacional.

É caro e inviável abrir uma exportadora

Mito: Vender no exterior não exige fórmulas diferente das seguidas no mercado interno. Da mesma forma que empresas nacionais, é preciso ter uma formalização do negócio como local, CNPJ, alvarás, comprovantes de contribuições, entre outros. Atualmente, abrir uma empresa no Brasil pode demorar, em média, 117 dias. Em países desenvolvidos, a média não passa de cinco dias corridos. Já o custo para que todos os formulários e obrigatoriedades sejam preenchidos gira em torno de 3 a 4 salários mínimos.

Preciso falar inglês para atuar no exterior

Verdade: Se a função de um empresário envolve negociar com empresas de outros países, mesmo naqueles em que o inglês não é nativo, o contato em algum momento envolverá diálogos no idioma. Lembre-se que o inglês ainda é o mais usado internacionalmente e seu domínio facilita a comunicação presencial e por e-mail com clientes, além de evitar situações desagradáveis levadas por mal-entendidos ou confiança em excesso no “embromation”.

Empresas pequenas não conseguem exportar

Mito: O sucesso na exportação é um conjunto de ações e, apesar do valor exportado no Brasil estar concentrado nas empresas de grande porte, as micro e pequenas empresas já são praticamente metade do total de exportadores brasileiros. Vender no exterior é possível para qualquer empresa desde que haja investimento em tecnologias da informação e em produtos realmente promissores.

Vender para o exterior não custa caro

Verdade: Uma posição forte no mercado interno significa liderança. Uma empresa que caminha bem no comércio interior certamente terá sucesso nas vendas para o exterior. Entretanto, vale lembrar que se a empresa não consegue colocar seus produtos nas melhores vitrines do seu país, provavelmente não poderá vencer os desafios de se internacionalizar. A exportação vai exigir investimento em inovação e tecnologia, além de qualificação do produto para o mercado externo.

O mercado interno é suficiente para o crescimento da indústria

Mito: Apesar de grande, o mercado interno por si não poderia ser capaz de sustentar o crescimento do país. Cerca de 98% dos consumidores estão fora das fronteiras e, com a forte demanda pela exportação, é inerente que a venda para fora gere lucro e inovação interna. Se colocar a disposição do mercado externo a partir da exportação também é uma via para diversificar o risco, deixando a empresa menos vulnerável em ciclos negativos da economia interna.

Investindo no exterior vou tirar empregos do Brasil

Mito: Esse pensamento muitas vezes é guiado pelo ideologismo que não assimilou o mercado como global. Uma empresa de bairro pode competir com outra do exterior e uma ampliação para exportar pode gerar benefícios além da ampliação internacional. Os investimentos no exterior ajudam as empresas a acessar novos mercados e assim elevar o potencial comercial de seus produtos, aumentando a exportação e, dessa forma, qualificando a produtividade local para a geração de emprego e renda.

Ainda tem dúvidas? Saiba também por que internacionalizar o seu negócio.