Dicas

Marina Petrocelli
3 minutos de leitura
Escrito dia 14/09/2020


O que você faz quando identifica um problema na sua empresa ou na organização em que você trabalha? Encontrar a solução depende de reconhecer as possíveis causas e é aí que o Diagrama de Ishikawa entra em cena. Conhecido também como Diagrama de Causa e Efeito ou Espinha de Peixe, a ferramenta é uma forma […]


O que você faz quando identifica um problema na sua empresa ou na organização em que você trabalha? Encontrar a solução depende de reconhecer as possíveis causas e é aí que o Diagrama de Ishikawa entra em cena.

Conhecido também como Diagrama de Causa e Efeito ou Espinha de Peixe, a ferramenta é uma forma visual de estabelecer os principais fatores que geraram aquela situação indesejada e, consequentemente, encontrar a melhor solução para ela.

O Diagrama de Ishikawa leva o nome de seu criador, o engenheiro de qualidade japonês Kaoru Ishikawa, e se relaciona diretamente com os conceitos de Gestão da Qualidade.

Com ele, os processos organizacionais se tornam mais racionais e efetivos e qualquer colaborador consegue utilizar a ferramenta para a resolução de problemas, independentemente de escolaridade mínima ou especialização.

A ideia é que o Diagrama de Ishikawa seja simples e democrático. Quer saber mais sobre ele e aprender como montar um? Acompanhe nossas dicas!

Vantagens

Todo problema tem uma causa específica. Eliminando a causa-raiz, o problema também seria eliminado. Essa é a principal premissa do Diagrama de Ishikawa.

Com isso em mente, você já percebeu que alguns benefícios da utilização dessa ferramenta incluem a melhor visualização dos problemas a serem enfrentados e a identificação das causas de forma ágil e assertiva.

Contudo, algumas outras vantagens do Diagrama de Ishikawa podem ter passado despercebidas, como:

  • Hierarquização e priorização das causas
  • Facilidade para análises futuras
  • Envolvimento de toda a equipe na melhoria de processos
  • Organização de ideias com foco e objetividade

Por ser uma ferramenta relativamente simples, mas muito eficaz, ela geralmente é combinada com outras técnicas, como o brainstorm, termo em inglês para aquelas dinâmicas de grupo que exploram o potencial criativo da equipe.

Essa combinação pode ser uma vantagem já que o Diagrama de Ishikawa, por si só, não define, por exemplo, o nível de gravidade das causas. Por isso, a ideia de utilizar a ferramenta em grupos auxilia na melhor definição dessas características.

Como construir um Diagrama de Ishikawa

Confira um passo a passo para começar a utilizar essa ferramenta.

  1. Defina o problema com clareza
  2. Desenhe uma seta na horizontal, com um quadrado na extremidade (a cabeça do peixe)
  3. Dentro do quadrado, escreva o problema
  4. Faça traços diagonais no corpo da seta (as espinhas). Eles serão as categorias das causas
  5. Durante uma conversa com a equipe ou com os colaboradores, defina as possíveis causas
  6. Insira as causas dentro das categorias definidas (veja mais sobre as categorias no próximo tópico)
  7. Enumere as causas de acordo com sua gravidade ou importância. Vale puxar linhas horizontais dos traços diagonais para organizar melhor

Categorias

Para realizar o Diagrama de Ishikawa, é necessário enquadrar as causas em tipos. Cada equipe pode definir categorias próprias para isso, mas, para facilitar, o criador da ferramenta estipulou seis tipos que, na maioria das vezes, são a razão da existência do problema.

Essas seis categorias começam com a letra M. Assim, elas são denominadas de 6M:

  • Método: como a maneira de desenvolver o trabalho influencia o problema?
  • Máquina: como os equipamentos utilizados influenciam o problema?
  • Medida: como as métricas utilizadas para mensurar o desenvolvimento do trabalho influenciam o problema?
  • Meio ambiente: como o meio influencia o problema?
  • Material: como a qualidade e o tipo de material influenciam o problema?
  • Mão-de-obra: como as pessoas influenciam o problema?

Lembre-se: essas categorias podem e devem ser adaptadas para se encaixarem melhor ao seu negócio.

Por exemplo, se o seu problema são produtos atrasados, talvez seja interessante identificar as causas relacionadas a prazo de produção (não acompanhou aumento da demanda), estoque (indisponibilidade de materiais para produção), material (não foi solicitado ao fornecedor) e mão-de-obra (enviou os produtos com atraso).

Análise e definição de ações

Montar o Diagrama de Ishikawa é só o primeiro passo para a resolução de problemas. Com as causas definidas é preciso analisá-las e definir os próximos passos para que a situação seja efetivamente resolvida.

Você já usou o Diagrama de Ishikawa para solucionar problemas? Conte para a gente!

icone de gota

Artigos Relacionados